domingo, 16 de outubro de 2011

Poema Baixinho Comunicacional




Eu já tive o meu Par Down que não voava, era só de pinga.
Pesquei a tarde bebendo dose da lagoa de tinta que quanto mais soa menos brinca, por isso que resolvi engolir quartos acima da rima que por opção, me anima.
A estrutura é essa.
Respirando o Ar de Lá pequeno baixo dó jó Now.

Mas enfim... é pele macia de sorriso gracioso



Dance garota, como dança as borboletas
Em roda de fogo que queima-me em pimenta
E tenta em que não experimenta
Lenta que não aguenta
Seu exercício,exercer do vício
ao pertencer.

Me dê amor todo seu calor,
Tire amor, todo seu não querer
Que ter é agrado de viver
Comigo e ser
Não mais morrer.

Abrace-me assim,
Com este, este ar de escapamento
Que faz mais ego ao nosso gozo
E de novo, gostoso
é este mel de ti se ver

Sei que em bares não irei te encontrar
Nem nas esquinas deste luar
Mas aqui, você me preenche
Entende e treme

E se soubesse onde estou...

Faço do verso nosso toque
Nosso carinho e sentimento
Terno costurado do inverno
Meu invento.

Real, se beija
Deixa e desleixa em amor,
Meu benzinho que quero
De carinho, brisa, já a pressa, tolero.

Aquela praia à suco gelado em garrafa de vidro com o gelo rodando e fazendo aquele sonzinho
Está valendo.
Sol, ardendo.
Manoel para o nosso veneno.

E que de todos dias sinto por vontade lhe procurar
Lhe risar de dar dor na barriga por emaranhar
Nosso café pretinho com cheirinho de amor
Te amar.
Mar.


Matheus Carmo


Um comentário:

  1. Sonzinho+ Manoel+ Cafe pretinho+ Mar+ Amor:
    Resista quem puder...

    ResponderExcluir